Domingo, 4/8, todos à Avenida Paulista para a nova Marcha Agrotóxico mata

Todos os verdes da capital, das cidades da Grande São Paulo, do interior e litoral, estão chamados a participarem da Marcha Agrotóxico Mata, agora em caráter nacional, neste domingo, 4 de agosto, a partir das 14 horas, na Avenida Paulista. A concentração inicial será na frente do MASP. Desta vez, o evento acontecerá, simultaneamente, em várias cidades brasileiras.

Segundo estudo da Universidade de São Paulo (USP), o Brasil é o campeão mundial no uso de pesticidas na agricultura e os agrotóxicos continuam sendo liberados em ritmo preocupante desde o início do ano. Nos últimos seis meses 239 substâncias foram aprovadas pelo Governo Federal, fato que leva a crer que a população brasileira está se alimentando com produtos cada vez mais contaminados por veneno.

Milhões de pessoas estão correndo riscos de doenças graves. O cenário tem alarmado cientistas, entidades ambientais, profissionais de inspeção sanitária, alarmados com os efeitos do exagerado uso de substâncias proibidas em outros países. Somente no mês passado, o Ministério da Agricultura validou 42 produtos, em maio foram 31, sendo 3 diretamente associados à mortandade de abelhas, ação alertada pelos apicultores, que reportaram às associações, secretarias de Agricultura e pesquisadores universitários, a morte de meio bilhão de abelhas num período de três meses.

A liberação de mais agrotóxicos na primeira metade deste ano gerou ainda mais preocupação e, no último dia 21 de julho, dezenas de pessoas, ambientalistas e militantes partidários, dentre os quais muitos verdes, realizaram uma grande manifestação na Avenida Paulista, denominada “Marcha Agrotóxico Mata”. Representante do Partido Verde na organização da atividade, Patricia Penna afirma que “foi dado um passo importante mas nossa voz ainda está longe de ser ouvida. A marcha não é a mobilização de um partido, é a mobilização de muitos segmentos da sociedade brasileira, pois estamos comendo veneno e não podemos ficar calados”.

O PV do Estado de São Paulo convida você a fazer parte dessa luta, pois vão acontecer mais e mais ações no país inteiro. No próximo domingo, dia 4 de agosto, a “Marcha Agrotóxico Mata” acontecerá às 14 horas, na Avenida Paulista, com concentração na frente do MASP (Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand). Compareça com sua bandeira, com faixas e cartazes. Leve sua família, chame os amigos, em defesa da saúde e da vida.

Serviço:
04 de agosto, 14h
Marcha Agrotóxico Mata
Na Avenida Paulista
Concentração em frente o MASP (Museu de Arte de São Paulo – Assis Chateaubriand)




Edital de convocação




MARCHA ORGANIZADA PELO PV LEVA DEZENAS DE PESSOAS À AVENIDA PAULISTA CONTRA OS AGROTÓXICOS

Para promover a reflexão e o debate sobre os agrotóxicos, o Partido Verde promoveu na tarde deste domingo (21/7),  na Avenida Paulista em frente ao MASP, a “Marcha Agrotóxico Mata” com adesão de dezenas de pessoas entre dirigentes e militantes do PV da capital e cidades da região metropolitana, representantes do terceiro setor, ambientalistas, educadores e artistas como o cantor e músico  Dorgi, de Osasco.

Munidos de faixas, camisetas e bandeiras os participantes distribuíram panfletos e conversaram com transeuntes destacando a falta de responsabilidade e  compromisso do governo federal com a saúde humana e ambiental ao liberar o registro de pesticidas.

Esta foi uma ação para mostrar à população o descaso do governo federal com a saúde da população. É um protesto contra a liberação desenfreada de agrotóxicos promovida pelo Governo Bolsonaro.


“Entramos com embargo no Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender esses perigosos venenos. Mas é pouco. Precisamos que toda sociedade diga ‘não’ porque nos envenenar é um suicídio coletivo. Cada um em sua casa dê preferência aos produtos orgânicos. Cada um em sua mesa faça exigência pela qualidade do alimento. Nós precisamos quebrar economicamente esses produtores insensíveis que enchem de veneno a mesa do brasileiro”, disse José Luiz Penna, presidente nacional do PV.

O governo de Jair Bolsonaro (PSL) vem acelerando a liberação do registro de pesticidas. A liberação de 42 defensivos agrícolas feita pelo Ministério da Agricultura vem preocupando ambientalistas, profissionais de saúde e pesquisadores do setor.

Estão no mercado mais de 200 agrotóxicos. Dos 42 aprovados por Bolsonaro, 23 são considerados altamente ou muito perigosos para o meio ambiente e 18 são extremamente ou altamente tóxicos para a saúde humana.

Entre os produtos liberados há um princípio ativo novo à base de Florpirauxifen-benzil. É o primeiro inédito aprovado em 2019.

 

Agrotóxico Mata

O PV sai às ruas para protestar contra a liberação indiscriminada de pesticidas promovida pelo Planalto

O PV saiu às ruas neste domingo (21) para protestar contra a política do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que tem acelerado a liberação e comercialização de agrotóxicos no país. Sob o slogan Agrotóxico Mata, a manifestação contou com a participação de dezenas de militantes e lideranças e partidárias, que levaram para a Avenida Paulista panfletos de alerta à sociedade para o perigo da utilização indiscriminada de pesticidas no campo. Houve discursos e depoimentos de pedestres contra.

Em apenas seis meses da administração de Jair Bolsonaro de foram aprovados 239 novos pesticidas – um recorde de aprovações. O ministério justifica a medida como um processo de “desburocratização” e que os atuais produtos possuem apenas um ingrediente novo. O restante já estaria disponível no mercado brasileiro por meio de rótulos diferentes – embora vários deles banidos da comunidade europeia. E a pasta anuncia ainda que outros seis ingredientes ativos, hoje comercializados por uma só empresa, terão seus correspondentes genéricos liberados no próximo ciclo.

No final de junho o PV já havia recorrido ao Supremo Tribunal Federal, arguindo inconstitucionalidade. Os verdes agora esperam contar com o apoio da sociedade civil e demais instâncias preservacionistas para barrar essa política abusiva e sem freios da administração Bolsonaro. “É preciso deter essa marcha insana em que se converteu o desmonte do arcabouço de preservação e ambiental e segurança alimentar”, alertou José Luiz Penna, presidente nacional do PV. “Ou detemos agora ou teremos sérias consequências no futuro.”




MARCHA CONTRA OS AGROTÓXICOS NESTE DOMINGO, NA AVENIDA PAULISTA

O Governo Federal liberou mais 42 agrotóxicos ampliando o recorde desde a posse de Bolsonaro. O número total de autorizações neste ano chega a 239.

Para promover a reflexão sobre o tema e impedir que mais agrotóxicos sejam liberados, o diretório Estadual do Partido Verde (43) convida militantes, dirigentes, terceiro setor e a população em geral para participarem de “Marcha contra os Agrotóxicos”.

A marcha será neste domingo (21/7), com concentração as 14 horas, em frente ao MASP. O PV orienta dirigentes e militantes a levarem bandeiras, faixas e todos os adereços da legenda.

O crescimento de registros de novos venenos químicos para uso na produção de alimentos indica o interesse ruralista acima da saúde e do meio ambiente e, sobretudo, tem despertado o repúdio de ambientalistas e de profissionais da saúde no Brasil e no exterior.

O uso indiscriminado de agrotóxicos traz diversas consequências, dentre elas a má formação genética e a microcefalia.

Dos novos produtos liberados neste ano, quase metade, ou seja 43%, é altamente tóxica. Dos 239 produtos, 31% são de agrotóxicos proibidos na União Europeia (UE).

“O Partido Verde vem atuando na esfera jurídica para impedir os registros de agrotóxicos que desrespeitam o direito à saúde, à alimentação da população brasileira e a proteção intrínseca do meio ambiente. Mas, entendemos que o caso exige ações públicas. Assim, chamamos nossa militância e amigos de outros partidos e de ongs socioambientais, culturais, população em geral, pra esta marcha domingo, 21 de julho, na Avenida Paulista”, enfatiza José Luiz Penna, presidente nacional do PV.

Marcha Agrotóxico MATA